LENDAS URBANAS




LENDAS URBANAS

Tenho certeza que todos voces ja devem ter ouvido ou mesmo lido sobre alguma lenda urbana. não é mesmo? então , estive pensando e vou por aqui as lendas urbanas que mais, como posso dizer, me chocaram. ou de uma forma ou outra me chamarão a atenção.

A noiva cadáver

Conta a lenda, que uma bela moça, que tinha como sonho da sua vida casar, morreu no baile do seu casamento. O noivo, desesperado, implorou que ela retornas se mas ela não o fez. Não de imediato pelo menos. Dois meses depois da sua morte, no mesmo salão aonde foi realizado o baile, ela foi vista dançando. E depois em uma casa noturna na cidade. Em seguida em outra e depois em outra, até que enfim, ela virou uma lenda. Dizem que ela convida para dançar e depois pede para levar a sua casa. E aí a história diverge. Umas dizem que ela leva a sua vítima para o cemitério, já em outras para a igreja e se o “pegador” não correr muito, vai para o mundo dos mortos junto com a Noiva Cadáver.










Um menino chamado Toninho de uns 15 anos ganhou aniversário Uma escrivaninha e ela vinha com um diário.Tudo que estava escrito no diário acontecia até que Toninho leu uma frase que dizia que o seu amigo ia quebrar a perna na educação física. No outro dia na hora da Educação Física o seu amigo quebrou  a perna e toninho assustado se lembrou do diário. na outra vez que ele leu, dizia que ia haver um acidente,um caminhão ia bater com o ônibus da Escola. toninho ligou para escola e tentou avisar, mas pensaram que era um trote dele.Quando foi o outro dia aconteceu o acidente.toninho chegou para a diretora e falou : "Está vendo ? Eu falei que ia acontecer o acidente e ninguém me ouviu!" A diretora respondeu : "Isso não aconteceu porque você  disse é sim porque acidentes acontecem."depois de descultir com a diretora toninho pegou   seu amigo Alex beijando sua namorada e toninho o empurrou revoltado ele voltou para casa  e  leu novamente o diário e desta vez dizia que seu amigo Alex ia morrer atropelado apesar de esta chatiado   na madrugada preocupado , ele ligou para Alex e agindo de maneira brava Alex disse : "Isso é hora de você ligar para mim ?" E bateu o telefone. toninho pensou :" Eu ligo tentando ajudar e ele ainda de responde deste jeito?"a unica pessoa que toninho resolveu confiar foi na sua mãe mais o que ela disse não agradou ela disse  que isso não era verdade porque quando ela comprou a escrivaninha, não tinha diário nenhum. No outro dia , quando Alex estava atravessando a rua um carro o atropelou. Então toninho encontrou uma vidente que disse lhe  : "Eu sei que você ganhou uma escrivaninha e que ela veio com um diário, leia a última página do diário se você quiser salvar as pessoas ,pois se não lê todo mundo morrerá!" Quando ele chegou em casa que pegou o diário para ler a ultima pagina estava escrito : "Hoje você morreu " fonte: http://lendasurbanasbrasileiras.blogspot.com.br/




O açogueiro da rua do Arvoredo


Essa não é uma lenda urbana
Você já ouviu falar no caso do linguiçeiro da rua do Arvoredo? É uma história antiga, que sobreviveu por anos a fio pela tradição oral e por muito tempo, acreditou-se que se tratava apenas de uma lenda urbana. A história oficial em vão buscou abafar a história, mas a verdade é que a cidade entrou para a galeria dos crimes mais hediondos por causa de um homem insuspeito, bon vivant — na verdade um verdadeiro chacal escondido com peles de um dândi, e talvez o maior facínora de seu tempo. Tudo começou em 1863, na provinciana Porto Alegre dos tempos do Segundo Império. Naquele tempo, a capital era a quarta maior do Brasil, com cerca de 20 mil habitantes, 4 mil casas, 18 edifícios públicos e sete igrejas. Foi na cidadela que se encastelava na península central de ruas sem calçamento e cheia de tocas de tatu de escravos fugidos que nasceu o mito de José Ramos, o insuspeito açougueiro que fazia lingüiça de restos humanos.  Ramos era considerado como um discreto gentil-homem, elegante e viajado, como se saísse das páginas de um romance de Alexandre Herculano. Era visto em casas de ópera da cidade e consta que tinha excelente gosto musical. Na verdade, ele era uma espécie de inspetor de polícia que foi obrigado a fugir de Santa Catarina após matar o próprio pai. Em Porto Alegre, o assassino se tornou um homem da lei. Foi quando ele conheceu Catarina Pulse, magiar descendente de alemães, nascida na Transilvânia (é verdade!). Casada, viu o marido se matar na própria frente durante a viagem ao Brasil. Essa mulher de personalidade enjeitada conheceu o nobre José Ramos. O amor bandido de ambos deu origem à lenda dos carniceiros. As primeiras vítimas — sempre gente de fora — eram fisgadas por Catarina no Beco da Ópera (hoje a rua Uruguai, no coração de Porto Alegre). Atraídos pelos dotes físicos da mulher, eles iam para o cadafalso por um trajeto obscuro de ladeiras, do velho Beco do Poço até a rua da Igreja (hoje Duque de Caxias), até a casa dele — um sobrado que ficava atrás da antiga Matriz, na rua do Arvoredo, hoje Fernando Machado. Curioso é que aquele sobrado era aziago. Ali ocorreu o primeiro latrocínio, segundo registros da época. Pior que isso, nos fundos da Igreja da Matriz (onde hoje resiste bravamente a Catedral) ficava o cemitério da cidade. Como a chuva amiúde lavava o terreno, não era raro encontrar fêmures e caveiras rolando sorridentes pela rua do Arvoredo. Como ninguém queria alugar aquela casa, Ramos e Catarina se mudaram para lá, transformando aquele pardieiro refugado pela sociedade no seu ninho de amor e lascívia. Era ali, naquele ambiente íntimo, que eles matavam as suas vítimas, com requintes de crueldade...
Com técnica refinada, cada corpo era degolado, esquartejado, descarnado e cortado com capricho e em fatia, para serem acondicionados em baús. Para o trabalho, o açougueiro contava com a ajuda de Carlos Claussner — que pouco tempo depois seria transformado em lingüiça pelo comparsa. Com o moedor, ele fazia guisado da carne e preparava o produto, oferecido para toda a cidade em seu açougue da rua da Ponte (hoje Riachuelo, fundos da Igreja Nossa Senhora das Dores). Consta que a lingüiça de José Ramos era muito apreciada. Desbaratado o caso em 1894, Ramos foi condenado à forca e Cataria morreu louca num hospício. A despeito de todo o escândalo, os crimes da rua do Arvoredo foram propositalmente ignorados pela imprensa de época. Em sua pesquisa, porém, Décio Freitas constatou que a história repercutiu em jornais da França e do Uruguai!

José Ramos ganhou a fama do terror de Porto Alegre, no século XIX. 
fonte:http://lendasurbanasbrasileiras.blogspot.com.br/2012_08_01_archive.html

A carta do inferno


Está não e uma lenda urbana, se você tem algum problema relacionado ao medo de fatos reais recomendo que não leia o que esta escrito nesta imagem que eu tirei de um site que não disponibiliza para qualquer um. 


E se você tivesse um amigo que morreu sem conhecer Jesus como seu Salvador?  E se ele,ou ela, fosse para o inferno?E se um dia vc recebe-se uma carta do alén? Uma carta do inferno.Uma carta de seu melhor amigo nas chamas do tormento. O que segue é uma dramatização.Embora Zack sempre tivesse oportunidade de falar a Josh sobre Jesus ele não falou.Eles eram melhores amigos.Eles jogavam futibol juntos, iam para a aula juntos, se divertiam juntos.Eles partilharam suas vidas um com o outro.Mais há uma coisa que Zack escondeu de Josh.Sua relação especial com Jesus Cristo.O resto da história é simples e triste. Algumas cervejas... Uma trágica volta pra casa... Um acidente... Uma morte... Um funeral... Uma carta.Essa é uma carta da íntegra, Uma carta do Inferno.Caro Zack.Eu morri hoje é muito diferente do que eu esperava você entende?  Eu sempre pensei que ao morer, iria para um mundo escuro e nebuloso, Mais este lugar é real...É até mais real que minha vida na terra. Posso pensar, falar, posso até sentir...Logo após a batida senti meu espirito deixando meu corpo isso foi muito estranho Zack.Eu pensei enter ouvido gritos...E que deviam ser apenas coisas da imaginação.Primeiro fiquei numa fila, Num túnel de pedras eu acho. Então eles perguntaram meu nome, e olharam num livro, Chamado Livro da Vida.Eu acho que eles não me acharam, Por que chegaram dois anjos e pegaram pelo braço e estavam prontos para me levar para fora dali.Eu estava aterrorizado! Eu perguntei aos anjos para onde eles estavam me levando. Mais eles não responderam então eu perguntei de novo.Finalmente eles me disseram, que somente aqueles cujo os nomes estavam no livro da Vida poderiam entrar no paraíso.Os outros seriam condenados ao inferno para sempre. Eu estou com medo, o Anjo me levou para um tipo de cela onde eu pude meditar por muito tempo.Você quer saber no que estive pensando?Estive pensando em VOCÊ  Zack, você é cristão você mesmo me disse isto.Quero dizer, eu quis falar sobre isso milhares de vezes e toda vez você ficou sem graça ou mudou de assunto.E isso me veio a tona logo depois do acidente. Mais a pergunta que não sai da minha cabeça é essa Zack... Por que você nunca me falou como me tornar um cristão?Você dizia ser meu amigo...Mais se você realmente fosse, Você teria me falado sobre jesus.Teria me falado como escapar  deste terrivel lugar para aonde estou indo. Posso sentir meu coração pulsando no peito.Os anjos que me levaram para o inferno estão vindo.Posso ouvir seus passos.Eu ouvi falar sobre o inferno... eles o chaman de Lago do Fogo. Eu não posso suportar Zack, Estou aterrorizado!Os anjos abriram a porta. AH NÃO! NÃO!Eles entraram e estão me tirando daqui, Eu ja posso sentir o cheiro de enxofre queimando. Eu ja posso sentir o calor das chamas.Estou sem esperança, Esta cada vez mais perto, Meu coração esta ardendo de MEDO.Eles estão me largando nas chamas, Isso vai durar para sempre. Eles estão me jogando.Fogo, Sofrimento, INFERNO! Por que Zack, você nunca me falou sobre JESUS?
Assinado seu amigo JOSH!
"Havia uma menina de cerca de 14 anos que estava em fase terminal de cancer de boca. Os médicos já haviam tirado todas as esperanças da familia em relação a cura da garotinha. A mãe da menina,desesperada, tomou uma decissão insana. Fez um pacto com o Demonio: consagrou a menina ao Demonio para que ele a curasse e como promessa, criaria uma marca que afetaria todo o mundo (no caso, a Hello Kitty). Posteriormente o Demonio curou a garotinha, e a mãe cumpriu o que havia prometido: criou a Hello Kitty. A palavra Hello, em inglês quer dizer olá. A palavra Kitty, è de origem chinesa e quer dizer Demonio.***Logo, Hello Kitty quer dizer: OLÀ Demonio.*** Vcs podem perceber que a Hello Kitty não tem boca, devido ao caso da garotinha ter o cancer de boca. A Hello Kitty é um si­mbolo da Nova Era. A Nova Era è uma seita que vai contra todos os princi­pios de Deus."
Uma aluna (algumas vezes uma professora) loira e muito bonita que aparece nos banheiros dos colégios assustando os estudantes que matam aula. Uma constate em todas as versões é o algodão, a Loira está sempre envolta nele, ou com ele saindo de suas feridas, olhos e ouvidos. Algumas versões a retratam como um professora que foi assassinada por alunos revoltados, que não satisfeitos, a torturaram fazendo cortes profundos em sua pele e enfiando algodão nas feridas. Em outras versões ela é uma aluna que morreu no banheiro da escola enquanto matava aula (às vezes devido a um escorregão que terminava com sua cabeça na privado, outras vezes ela morria sufocada com um mau cheiro que saía do ralo, bizarro mesmo!), após sua morte, seu espirito passou a ficar vagando pelos banheiros assustando os alunos que matam aula como ela fazia, nesse caso o algodão é referente aos tufos que os médicos enfiam no nariz, boca e ouvidos dos mortos por conta das secreções post mortem. Há ainda quem diga que pode-se invocar a Loira do Banheiro dando descarga três vezes, depois chutando o vaso uma vez e por fim virando-se rapidamente para o espelho.


Derivada dos mendigos que permeiam todas as cidades, essa lenda é usada pelas mães para assustar os meninos malcriados que saem para brincar sozinhos na rua. De acordo com ela, um velho malvestido, e com um enorme saco de pano nas costas, anda pela cidade levando embora as crianças que fazem "arte".  Em algumas versões, o velho é retratado realmente como um mendigo, outras ainda o apresentam como um cigano; creio que isso dependa da região do país onde ela é contada. Há ainda versões mais detalhadas (entendam como cruéis) em que o velho (mendigo ou cigano) leva a criança para sua casa e lá faz sabonetes e botões com elas. 


Essa também é muito conhecida, seu surgimento ocorreu em meados dos anos 50/60 devido ao grande crescimento de rodovias que se deu nesses anos. Na maioria das vezes, a lenda fala de uma mulher loira (que pode ser trocada por uma índia ou prostituta) que fica na beira da estrada pedindo carona para os motoristas que passam, quando um resolve parar (muitas vezes caminhoneiros) ela conduz a pessoa até um cemitério próximo, chegando lá a bela mulher desaparece deixando o motorista sem entender nada, logo depois ele a reconhece na foto de uma das lápides. Em outras versões ela simplesmente desaparece dentro do próprio veículo, depois o motorista descobre pelos moradores das redondezas que a moça havia sido atropelada há muitos anos naquela mesma estrada.  Algumas vezes, antes de desaparecer, o espírito da mulher pede ao motorista que ele construa uma capela no lugar onde ele a encontrou para que assim ela possa finalmente descansar em paz. Há ainda versões em que ela se deita com o motorista que quando acorda no dia seguinte descobre que ela simplesmente desapareceu sem deixar vestígios de sua existência. Uma versão mais sangrenta diz que a loira, antes de desaparecer, seduz o motorista que quando tenta beijá-la, acaba perdendo a língua.
Outras versões dessa lenda se passam em cidades grandes e são protagonizadas por motoristas de táxi, nelas o taxista recebe uma passageira muito bela e jovem, ela pede uma corrida até um cemitério qualquer da região, chegando lá ela dá ao motorista o endereço de sua casa e diz que lá ele irá receber seu pagamento, no dia seguinte, quando o motorista vai receber o dinheiro, o pai da menina lhe diz que é impossível sua filha ter feito essa corrida, afinal, ela havia morrido há muitos anos. O taxista, sem entender nada, fica ainda mais confuso ao reconhecer numa foto a menina que ele conduziu no dia anterior. 


aproximadamente 89 anos...
Ela era super hospitaleira, e adorava crianças,
tanto que trocava os dentes delas por uma moeda de ouro.
mas a cidade nunca engoliu esta hístoria de hospitalidade ...por que achavam q os dentes eram pra fazer rituais satânicos...
Mas era só fofocas da cidade porque as crianças a adoravam...
Mas o destino foi cruel com ela pondo fogo em sua casa. Sua pele ficou toda queimada e super sensivel a luz. então ela ficava dentro de casa o dia todo com as janelas fechadas, e só saia anoite, com uma máscara de porcelana para que ninguem veja o seu rosto ...certo dia dois garotos desaparecem, a cidade a culpa, enforcando-a e retirando sua máscara ao sol para que todos vejam aquele rostoa horrivel, e orripilante que ela escondia...mas antes ela roga uma praga "Os dentes que eu antes buscava por hospitalidade ,buscarei agora port vingança" no outro dia os garotos aparecem, e a cidade enterra a hístoria...mas até hoje ela vem atrás de quem perder o seu ultimo dente, e se for vista ela simplesmente o matara. Dizem Que depois que ela e vista , a unica forma de evitala e permanecendo na luz.
Então quando perder o seu ultimo dente o jogue em cima do telhado para o seu proprio bem!!!
Tinham 6 amigos.Eles foram fazer uma festa em casa com seus colegas em uma cidade pequena.Depois que todos foram embora,viu alguém na cozinha,e era a morte."amanhã será a inauguração do trem-fantasma"disse a morte aos garotos "não vão até lá!" Eles não acreditaram e deram risada do homem.Depois que todos foram dormir, um casal resolveu ir até lá ver e ouviram uma voz: "aqui será seu pior pesadelo" e viram várias pessoas cheias de sangue,bruxas, vampiros e outras atrações que deixaram os cabelos deles em pé.Na hora da saída, eles viram uma pessoa com uma faca e morreram esfaqueados.Os outros 4 foram ver com a polícia e um policial agiu misteriosamente quando eles contaram.Depois, eles foram no parque e outro casal resolveu entrar no trem fantasma e ouviram outra voz assim: "Pague para entrar,reze para viver".Do mesmo modo que os outro casal morreu, eles morreram.No mesmo dia,o último casal viu a morte outra vez e ela disse: "Seus outros amigos desapareceram,não é?Saiam daqui agora mesmo!".No dia seguinte, o ultimo casal que sobrou foram com a polícia verificar o mistério do trem-fantasma e o policial disse que quando era criança,muito de seus amigos perderam vida ao ir naquele trem-fantasma.O casal entrou no trem e viu em uma cela, seus amigos todos esfaqueados,feios e com cara de morto vivos,com olhos arregalados,vidrados. Eles saíram de lá chorando e nunca mais foram em nenhum trem-fantasma.

:: Numa pacata cidadezinha do interior do estado de SP , acontecia um estranho acontecimento . Já era 11:00 , e os alunos daquela escola , estavam todos reunidos , com a luz apagada e aporta fechada , contando historias aterrorizantes : Uma senhora , moradora d uma pequena casa no meio da floresta , tinha um pequeno gato preto , gato q ela penteava todos os dias , mas um dia , um terrível demônio possuído e estuprou a velha senhora , e logo depois possuído o gato , q até hoje aterroriza as pessoas daquela pequena cidade , dizem q ele aparece cm uma faca entre as garras e ataca a todos q vê pela frente! 

Ela tornou-se uma das mais populares lendas urbanas no mundo inteiro principalmente após o advento da internet. As várias versões giram sempre em torno da história de alguém sendo seduzido em um bar ou em uma festa, se embebedando ou se drogando e acordando em uma banheira cheia de gelo e com um pedaço de seu corpo costurado, frequentemente na região de um dos rins. Ao obter socorro médico, o azarado descobria que tinha sido vítima de um golpe no qual alguns gatunos haviam roubado um de seus rins. A lenda urbana sobre os ladrões de órgãos correu o mundo e as principais vítimas nas diferentes versões do conto eram turistas ou gente viajando a negócios. As crianças também tornaram-se o alvo numa versão da lenda conhecida como "a gangue do palhaço", na qual um palhaço e uma bailarina circulavam numa perua pela cidade sequestrando crianças para tirar e comercializar seus órgãos.

Junto com o conto da loira do banheiro, o caso do quadro do menino que chora é uma das lendas urbanas mais conhecidas no Brasil. Como em várias outras narrativas populares, esta história gira em torno do tema do artista que faz um pacto com o diabo para alcançar sucesso. Neste caso, o artista seria um pintor que, entre outras obras, fez um quadro no qual retratou um menino chorando. A criança que posou para o artista teria sido assassinada em um ritual satânico. Ainda segundo essa lenda urbana, se o quadro fosse queimado ele libertaria o capeta em "carne e osso" e as provas disso eram que quando virado de cabeça para baixo o retrato do menino tornava-se a silhueta do diabo e quando o fogo começava a queimar o quadro formavam-se figuras de um ser chifrudo onde as chamas atingiam. E não adiantava jogá-lo fora, pois ele voltava a aparecer na casa de seu dono. A lenda fez tanto sucesso, isto é, amedrontou tanta gente, que hoje em dia é difícil encontrar um exemplar do quadro por aí.
Nos primeiros anos do surgimento da AIDS, o medo e a ignorância alimentaram várias histórias destinadas a provocar pânico na população. Entre as muitas lendas urbanas que surgiram em torno da doença, a da seringa contaminada no cinema foi uma das que fez mais sucesso. Um homem revoltado por ter sido infectado com o vírus da AIDS teria colocado seu sangue contaminado em várias seringas e as espalhado pelas poltronas de vários cinemas. Os incautos que fossem espetados por elas seriam contaminados com a doença. A ideia da seringa com sangue contaminado gerou outras variações como a lenda sobre os ataques aos passageiros do metrô ou de assaltantes que usavam desse expediente para roubar suas vítimas.


3 comentários:

Anônimo disse...

meu deus, gostei das lendas mas nao gostei das fotos

Anônimo disse...

Super interessante, gostei a pampas, principalmente sobre a carta do inferno... é bom refletir.

Anônimo disse...

adorei mas mais do menino a chorar em quadro eu tenho um quadro igual